O Invasor



 
Podemos dizer que "O Invasor" é um filme que toca na ferida da classe média brasileira, ou seja, uma história que cutuca boa parte da burguesia nacional. Uma linha que, particularmente, me agrada e que ao mesmo tempo se faz necessária a boa parte do povo brasileiro. Pena que poucos viram o filme. PENA.
 
 
Se o cinema americano costuma optar por um estilo de análise, normalmente, sutil e poética; a sétima arte brasileira prefere a dura realidade, preferindo optar por imagens explicitas e chocantes. A fotografia, a trilha sonora e o roteiro funcionam como um tapa na cara da burguesia tupiniquim. Tudo se encaixando como um belo quebra-cabeça artístico.
 
 
No cinema dos Estados Unidos as críticas a sociedade americana foram realizadas através de produções como "Beleza Americana" e "Táxi Driver". No Brasil a ferida é mais aberta e costumamos receber obras como "Pixote - A Lei do Mais Fraco", "Tropa de Elite" ou esse ótimo filme de Beto Brant, estrelado por Marcos Ricca, Alexandre Borges, Malu Mader e Mariana Ximenes.
 
 
Porém, essa é uma obra que tem dono. E não é o ótimo diretor Beto Brant ("Os Matadores"), ou o elenco competente e experiente. O Invasor do longa-metragem se chama PAULO MIKLOS. O músico da banda Titãs, faz um trabalho primoroso, vital e empolgante.
 
 
No roteiro, rico e construído de forma soberba, os invasores podem mudar de lado a todo momento e o matador de um dia, pode ser o burguês no dia seguinte. A maluca e viajante fotografia nos apresentam cenas fortes, entretanto, imperdíveis para a construção da ótima história e densa narrativa social.
 
Em O Invasor são retratados:
 
 
- jovens, perdidos, que transam sem preservativos e sem preocupações com o futuro;
 
- drogas que circulam fácil pela classe A, B e C;
 
- traições entre "amigos";
 
- falsidade social e cultural;
 
 
A cena final é dura, cruel e, portanto, realista. Com uma pequena imagem o diretor, competente, como sempre demonstra que Os Invasores estão no cercando por todos os lados, enquanto dormimos como crianças que acreditam em príncipes.
 
 
Uma aula de Brasil, de classe média, de cinema e de hipocrisia.
 
 
 
Sinopse - Estevão, Ivan e Gilberto são companheiros desde os tempos de faculdade. Além disto, são sócios em uma construtora de sucesso há mais de 15 anos. O relacionamento entre eles sempre foi muito bom, até que um desentendimento na condução dos negócios faz com que eles entrem em choque, com Estevão, sócio majoritário, ameaçando deixar o negócio. Acuados, Ivan e Gilberto decidem então contratar Anísio (Paulo Miklos), um matador de aluguel, para assassinar Estevão e poderem conduzir a construtora do modo como bem entendem. Entretanto, Anísio tem seus próprios planos de ascensão social e aos poucos invade cada vez mais as vidas de Ivan e Gilberto.



Filme: 4,5 pipocas
1 pipoca - péssimo
2 pipocas - ruim
3 pipocas - razoável/regular
4 pipocas - bom
5 pipocas - ótimo

19 comentários:

Amanda Aouad disse...

Gosto muito, também, acho que é o que mais gosto de Beto Brant. Paulo Miklos surpreendeu como ator.

bjs

Anônimo disse...

Gostei bastante desse filme, realmente retrata a sociedade brasileira. Paulo Miklos também me surpreendeu como ator, muito bom.


Sônia Alves

Hugo disse...

Os melhores filmes de Beto Brant são os três primeiros: Este ótimo "O Invasor", "Ação Entre Amigos" e "Os Matadores".

Realmente "O Invasor" retrata bem a hipocrisia da nossa sociedade.

Abraço

Anônimo disse...

Oie...olha não assisti ainda, mas fiquei bastante interessada vendo sua crítica e os comentarios. Muito interessante....vou assistir e depois coloco minha opnião, tá!??
Beijosss e parabéns

Tatá

Lorde Canhoto disse...

Não vi o filme . talvez por ter uma certa reserva aos filmes nacionais . mas depois de ¨tropa de elite¨ e ¨2 coelhos¨ , acredito , sim , que o cinema nacional pode produzir boas peliculas . vou assistir ¨o invasor¨.

Abraços !

Fábio Henrique Carmo disse...

Confesso que eu esperava mais desse filme quando o vi. Mas é um bom filme, sim. E o Paulo Miklos rouba mesmo a cena! Abraço!

Cristiano Contreiras disse...

Ótimo filme, diria que é de extrema reflexão e Paulo Miklos mostrou traquejo e surpreendeu a todos, não? NA época chegaram a cogitar o filme e atores pro Oscar, sabemos que jamais iria, mas nunca custa sonhar, né? Ah, muito bom seu texto e pontuações sobre os sensos mais necessários da obra. Gosto da maneira objetiva que sempre articula. Parabéns e abração!

Rubi disse...

Mais uma novidade pra mim. Sabe que, quando se trata de cinema nacional, nem penso duas vezes, venho até seu blog pesquisar sobre.

Sobre o Highlander HAHAHAHA, lá está ele!

Abraços!

Anônimo disse...

Iza deixou um novo comentário sobre a sua postagem "O Invasor":

Filme interessantíssimo. Gosto desse tipo de filme realista, assim como Taxi Driver - que eu estou louca para assistir. Ainda não vi esse filme e nem sei se minha mãe deixaria, mas valeu a dica...
Abraços.

Iza disse...

Gostei muito do seu post. Ainda não assisti esse filme, mas bem que gostaria. Gosto de longas que tratam sobre a realidade, assim como Taxi Driver.
Abraços.

Ro Soares disse...

gostei muito do que escreveu ainda não vi o filme, mas fiquei curiosa gosto muito de Paulo Miklos.

Ro Soares disse...

fiquei curiosa pra ver o filme adoro Paulo Miklos.
abç.

Ro Soares disse...

gostei muito do que escreveu ainda não vi o filme, mas fiquei curiosa gosto muito de Paulo Miklos.

Alan Raspante disse...

Nossa! Parece ser realmente bom. Interessante... Quero ver!

Celo Silva disse...

Um dos meu filmes favoritos da retomada. A sensação crescente de caos é absurda, fazendo o espectador ficar tão nervoso quantos os personagem. Miklos arrebenta. Tb gosto muito dele em É Proibido Fumar, fazendo um personagem totalmente diferente e provando que é sim um bom ator. Abração!

renatocinema disse...

Celo concordo totalmente. É Proibido Filmar é outra prova de Miklos realmente é bom ator.

abs

Joicy Sorcière disse...

Totalmente novidade pra mim!!!!!!!! Acredite...

bjks JoicySorciere => CLIQUE => Blog Umas e outras...

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Um belo filme. Beto Brandt sempre me surpreende.


O Falcão Maltês

Tsu disse...

Oi Renato.
Esse filme parece ser bom! Mas do tipo para se assistir quando está bem inspirado, á fim de absorver plenamente.
lha eu recomendo os livros! Até porque tem livros de Nárnia que ainda não fizeram filme..vale á pena conhecer. Ajuda a explicar muita coisa sem resposta do filme.
bjs