Hércules 56 - O Sequestro do Embaixador Americano em 1969




A importância das procedências culturais para a identidade do individuo, a meu ver, passa obrigatoriamente pela preocupação da nação em comunicar sua história e seus valores para seu povo. 


Como fã de história sempre apreciei documentários. Entendo que esse gênero funciona como ótimo instrumento na preservação de nossa tradição e de nossas raízes. Acho uma pena ser tão pouco explorado e estimado em nosso país. 


O documentário "Hércules 56" é uma ótima alternativa para quem busca informações valiosas sobre a luta armada contra a ditadura militar. Articularia que é fundamental para o ensino de nossa história sobre o terrível momento de repressão.


Todo admirador de cinema nacional conhece ou já ouviu falar de "O Que é Isso, Companheiro?", baseado na obra de Fernando Gabeira, porém, poucos, infelizmente, são os que conhecem profundamente o contexto sobre o assunto. 


O site historianet.com.br fez uma bela demarcação sobre a obra dizendo que ele serve para rememorar os objetivos e detalhes do sequestro, o seu contexto e a repercussão sobre o processo político nacional, promovendo também a reunião de Claúdio Torres, Daniel Aarão Reis e Franklin Martins, dirigentes da Dissidência da Guanabara (DI-GB), que idealizou a ação e passou então a adotar a sigla MR-8; e Manoel Cyrillo e Paulo de Tarso Venceslau, os dois únicos remanescentes da Ação Libertadora Nacional (ALN), que realizou conjuntamente a operação.


Representações de arquivo, com noticiários da época, e imagens dos prisioneiros já falecidos finalizam a ótima e imperdível discussão. Um filme com cuidado e riqueza minuciosa de detalhes. 


O site uol.com.br faz um aviso relevante sobre a ausência de Fernando Gabeira. O diretor, segundo o site,  alega que Gabeira era "soldado raso" da operação e sua intenção era apenas ouvir os líderes. Não concordo muito com essa visão, até pela repercussão que o livro e o filme trouxeram, entretanto, é uma posição a ser respeitada.


Não importa se "Hércules 56" é a favor da ditadura militar ou dos "guerrilheiros", o que deve ser considerado nessa produção é a leitura que o Brasil faz de sua própria história.


Dedicado ao professor Rafael Lopes de Souza: eterno anarquista versus a burguesia.


Sinopse - Em Setembro de 1969, quando o Brasil era governado por uma Junta Militar, duas organizações revolucionárias aliaram-se para raptar o embaixador dos EUA, Charles Burke Elbrick e exigiram a libertação de quinze presos políticos, que foram levados ao México pelo avião Hércules 56 da FAB. Para rememorar o episódio e discutir as causas e consequências da luta armada naquela época, o filme traz à cena os nove remanescentes do grupo presos e promove o reencontro de cinco membros das organizações responsáveis pelo sequestro.

Esperanças e ilusões de uma geração


Filme: 4 pipocas

1 pipoca - péssimo

2 pipocas - ruim

3 pipocas - razoável/regular

4 pipocas - bom

5 pipocas - ótimo 

16 comentários:

Iza disse...

Adoro esse grande "acervo" sobre a Ditadura Militar no Brasil. Também sou grande fã de história (sinceramente é matéria que mais sei na escola) e gosto de conhecer mais sobre a história do meu país; e a ditadura foi uma parte muito importante da sua história. Enfim, adorei sua dica, com certeza, vou procurá-lo. Abraços.

Celo Silva disse...

Não conhecia, boa pedida, vou procurar me inteirar sobre esse DOC. Abração!

http://espectadorvoraz.blogspot.com.br/

J. BRUNO disse...

Eu também ainda não conhecia e fiquei curioso, este período da nossa história ainda me causa muito espanto e desperta minha atenção. Sobre o mesmo tema lhe recomendo o livro "Batismo de Sangue" do Frei Betto, que atá ganhou uma adaptação não tão boa para o cinema...

http://sublimeirrealidade.blogspot.com.br/

wandocabelo disse...

Vi o documentário na faculdade, achei muito interessante, e como todo fato depende do contexto histórico no qual esta inserido, o que foi tratado na época como um crime, hoje na visão historiográfica é visto como um ato de resistência e até mesmo heroico.

wandocabelo disse...

Vi o documentário na faculdade, e como todo fato depende do contexto histórico no qual esta inserido, o que foi tratado na época como crime, hoje na visão historiográfica é visto como um ato de resistência e até mesmo de heroico.

Folhetim em Contos disse...

Ei!
Vim te ler, vim retribuir
a presença. Muito me honra
passando por meu blog e comentado.
Bjs e linda semana
pra nós!

Tsu disse...

Renato...já que falamos de Batman e tal..o que achou do último filme? Eu ainda não vi :/
Esse documentário me parece bem imparcial para ambos lados, parece ser uma boa pedida.
bjs

Amanda Aouad disse...

Fiquei curiosa em relação a esse documentário, passou até recentemente em uma mostra aqui em Salvador, mas acabei não podendo ir, vou procurar...

bjs

Iza disse...

Passei aqui pra lhe desejar uma boa semana!! Abraços <3

Gabriel França disse...

Parece ser bem interessante. Fiquei curioso para conferi-lo.

http://monteolimpoblog.blogspot.com.br/2012/08/os-viloes-de-batman.html

Cristina Lira disse...

Não conhecia....bom demais as informações...

beijos na alma...

Az disse...

Sem dúvida esse sequestro foi um dos pontos altos da resistência à ditadura. Filmes como esses só fazem acrescentar à preservação da nossa memória. Pretendo vê-lo em breve!
Az
366filmesdeaz

Renato Hemesath disse...

Também acredito que documentários possuem esta 'grande missão' de difundir história e cultura. Aquela espécie de veículo para fazer-pensar. Ainda não o assisti, mas devo conferi-lo! Um abraço!

Ro Soares disse...

è meu amigo também acho os documentários importantes fontes de descobertas de nossa história mesmo.
parece bom o filme vou assistir!!
abç...

Karla Hack dos Santos disse...

Não conhecia... e amei conhecer!
Acho muito importante conhecer o período mais negro do Brasil - quesito liberdade...

;D

Ahh... Estou reativando o meu blog...
Agora só com cinema=> Nascida em Versos

Tsu disse...


Oi Renato.
Então vc gosta de cães? Eu adoro cães...o Pastor Alemão é legal mas meu preferido é o Husky (eu já tive um ^^)
bjs