Tempos de Paz





Tempos de Paz - Toda adaptação me deixa com duas pulgas atrás da orelha e quem acompanha meu blog sabe que falo isso toda vez que faço comentários sobre trabalhos cinematográficos que não são originais e sim fontes de outros estilos de arte. Entendo que as artes são obras tão distintas que fica muito complicado transmitir a mesma sensação. Mas, sempre existem situações que nos fazem rever certos conceitos. Nesse caso minhas congratulações vão para uma peça de teatro que virou película na sétima arte.



Fui assistir Tempos de Paz sem ler comentários, sem expectativas gigantes e com o coração aberto para ser apresentado a uma boa produção com o estilão da Globo. Estava ciente de que veria um filme redondinho (todo cheio de padrão) e nada mais do que isso. Afinal, a direção era de Daniel Filho e os protagonistas são atores de destaque na emissora do falecido Roberto Martinho.



Ao terminar de assistir ao longa-metragem só posso dizer que fiquei de boca aberta e com o coração emocionado. Fiquei apaixonado pelo roteiro do filme e pela narrativa emocionante. Um filme que fala de guerra, leva o público aperto no peito, sem mostrar nada explicito sobre a o conflito. Tudo no campo da imaginação e das palavras.



Daniel Filho merece elogios pois conseguiu transmitir todo sentimento dos protagonistas a tela do filme. Se no Teatro é, teoricamente, mais fácil, demonstrar sentimentos ao público, na sétima arte, essa sensibilidade é ainda mais complicada.



Tempos de Paz merece aplausos pela química perfeita entre Tony Ramos e Dan Stulbach; os dois arrasam e fornecem uma aula única de atuação. Poucas vezes percebi um "duelo" tão bonito entre dois atores num único trabalho. Se fosse o Oscar, entendo que ambos mereciam a indicação como melhor ator.



Outros positivos do filmes são:

- o ritmo ágil, que não deixa o longa-metragem se tornar cansativo;

- a boa direção de Daniel Filho ("Se Eu Fosse Você");

- a qualidade do elenco coadjuvantes com destaque para Louise Cardoso e Ailton Graça.



A trama toda se passa praticamente num único cenário, porém, isso não é empecilho para se contar uma história simples, emocionante e, de certa forma, traumática. Uma aula de como se pode contar boas histórias com pouco dinheiro.



Ao final de Tempos de Paz percebi que o que falta ao cinema, as vezes, não é dinheiro e sim, uma boa história.



A dramaticidade da conclusão leva as lágrimas e Dan Stulbach nos presenteia com maestria, seu talento de ator. Nos minutos finais Stulbach mostra sua força artística e consegue fazer duas apresentações do mesmo texto com dois significados diferentes. Somente um grande ator consegue tal realização.



Em Tempos de Paz descubra que são Tempos de Cinema Nacional.



Sinopse - Em 1945, para fugir da Segunda Guerra Mundial, imigrantes europeus chegam aos montes ao Brasil, indo diretamente ao porto do Rio de Janeiro. É ali que se encontra o interrogador da polícia especializado em torturas chamado Segismundo (Tony Ramos), funcionário oficial no governo de Getúlio Vargas. E é ele quem vai interrogar o ex-ator polonês Clausewistz (Dan Stulbach) que conseguiu escapar do nazismo depois de passar pelos horrores na guerra.


4 - pipocas


1 pipoca - ruim


2 pipocas - péssimo


3 pipocas - razoável ; regular


4 pipocas - bom


5 pipocas - ótimo

17 comentários:

Suzane Weck disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Suzane Weck disse...

Ola Renato,quase não apareço por aqui,mas hoje depois de um bom tempo que aqui passei,não mais te livrarás de mim.Parabéns pelo ótimo espaço que criastes.Grande abraço.

Hugo disse...

Este filme passou algumas vezes na TV por assinatura, mas acabei não assistindo.

A sinopse é interessante, apesar de que não sou grande fã de Daniel Filho.

Ainda pretendo conferir.

Abraço

Celo Silva disse...

Ainda não assisti esse filme, mas assim como vc, achava q seria algo bem televisivo. Que bom q te surpreendeu, me dá animo de conhecer a obra. Abs!

Amanda Aouad disse...

É um belo filme, mesmo. Também me surpreendeu, além de uma Ode ao Teatro. Dan Stulbach está incrível também.

bjs

! Marcelo Cândido ! disse...

Deve ser um confronto incrível
!!!

Alysson Mello disse...

Realmente o Daniel sempre faz bons filmes e esse não é diferente eu já gosto muito do trabalho do ator Tony Ramos e o filme é muito interessante, bem filmado e com ótimas locações, mas ainda vi muito de um filme televisivo talvez se o diretor tivesse usado outro tipo de camera talvez o resultado teria sido melhor!

leandroaleixo disse...

Ainda não vi estou um pouco desatualizado sobre os filmes,mais gosto e sempre vo gostar..!! Mas ainda nao vi..vlwlww

Maria Gabriela disse...

Vou assistir, pq vc recomendou muito bem. Confio na sua opnião ( que por sinal nunca falha...)
beijos

Por que você faz poema? disse...

Melhor ir ao teatro...

renatocinema disse...

O teatro é sempre mais mágico. kkk

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Vou assistir somente por sua recomendação. Daniel Filho não sei não...


O Falcão Maltês

Emmanuela disse...

Ainda não vi Tempos de Paz, confesso que nunca me interessei, mas seus elogios me deixaram curiosa.

Vi "Bicho de Sete Cabeças", finalmente!! Toda minha admiração está lá no cinema pela arte, quando tiver um tempinho, passe por lá!

Valdir Felix Gonçalves disse...

É caro Renato... os globais sabem fazer bons trabalhos quando querem...
Infelizmente na maioria das vezes, a empresa não está muito afim de qualidade...
Acho que agora consegui fazer o comentário kkkkk
Abraços

Marcos Rosa disse...

Este filme é muito bom, inclusive para usar em sala de áula, infelizmente ainda não consegui ainda mostrar para os alunos.

---
algunsfilmes.blogspot.com

Renato Hemesath disse...

Pelo início do teu texto jurei que tu não havia gostado do filme =) estava dando uma olhada beste filme por esses dias, e pelos teus comentários me pareceu mais sublime do que pensei. Um abraço!

Rubi disse...

Já conhecia este filme porque admiro muito o trabalho do Tony Ramos; agora, depois de ler sua resenha, vou assistir o quanto antes!