O Homem do Futuro - "O Homem não pode viver com medo", com essa frase, Rodolfo Botino, em participação especial, resume, a meu ver a boa mensagem e intenção do filme dirigido por Claúdio Torres ("Redentor", outra boa produção nacional). Ninguém pode ter receio de rir, chorar, amar ou de se apaixonar.


O longa-metragem, estrelado pelo sempre competente Wagner Moura ("O Caminho das Nuvens") e Alinne Moraes ("Os Normais 2) é uma boa pedida para aprecia diversão, entretenimento e um ótimo passatempo. Um filme que faz o público sair relaxado, feliz e com nostalgia no coração.


Entre as qualidades que eu vi no filme destaque para:

- a trilha sonora, que inclui canções de Legião Urbana, Ultrage a Rigor, REM, INXS, entre outras músicas marcantes de nosso saudoso passado. Trilha obrigatória para quem viveu essa geração musical;

- as boas atuações, em especial Wagner Moura, que com o mesmo personagem consegue três atuações distintas. Demonstrando, claramente que cada personagem (época) um tem sua própria característica. Ele consegue ser gago, louco e tímido com o "mesmo" personagem, o protagonista Zero;

- os diálogos afiados e com frases marcantes e reflexivas;

- a boa fotografia, que em alguns momentos tenta nos apresentar algo relativamente diferente;

- o roteiro consegue, dentro de sua liberdade artística e poética, provar que amor e física podem sim andar lado a lado;

- os bons efeitos especiais. Não ficou devendo nada para algumas produções estrangeiras que chegam aos nossos cinemas.


A semelhança com "Efeito Borboleta", em termos de enredo e narrativa, é clara e agradável. Porém, diferente da produção americana aqui o contexto é mais leve e possui a intenção de entretenimento puro. Ideal para um final de semana tranquilo. Lembra muito também, "A Máquina" filme nacional feito com muito carinho e imperdível para quem gosta de viagens no tempo.


O encontro dos "três" Zero representa, em minha opinião a eterna briga que cada um de nós possui eterna e diariamente sobre nossas escolhas e rumos. Afinal, como diz a canção "Tempo Perdido", do Legião Urbana, que esta no longa-metragem: "Temos nosso próprio tempo".


Para não dizer que o longa metragem só recebeu elogios não apreciei a versão da música Creep, da banda Radiohead. Achei fora de sintonia com o resto das canções. Além disso, entendo que Maria Luísa Mendonça não esteve inspirada como em outros trabalhos, deixando a desejar no resultado final.


Recomendo tranquilamente aos fãs de viagens no tempo. Seja para encontrar um grande amor, seja apenas para relembrar clássicos desse "gênero" como: "A Máquina do Tempo", "Em Algum Lugar do Passado" ou "De Volta para o Futuro". Que todos tenham uma boa viagem.


Alguns podem dizer que o final é previsível. Pois eu respondo que as vezes o prazer esta em ser previsível....................e feliz.




Sinopse - Zero (Wagner Moura) é um cientista genial, mas infeliz porque há 20 anos atrás foi humilhado publicamente na faculdade e perdeu Helena (Alinne Moraes) o grande amor de sua vida. Certo dia, uma experiência acidental com um de seus inventos faz com que ele viaje no tempo, mas precisamente ao passado. Depois da chance de mudar a sua história Zero retorna ao presente totalmente modificado e se descobre que é um tremendo canalha.



Filme: 4 pipocas


1 - pipoca - péssimo

2 - pipocas - ruim

3 - pipocas - regular/razoável

4 - pipocas - bom

5 - pipocas - ótimo

30 comentários:

Celo Silva disse...

É um bom filme mesmo, um dos poucos a se destacar em um ano de muitos filmes ruins nacionais. O clima nostalgico dele é fabulos, principalmente para quem viveu aquela epoca e Moura esta otimo, um timing comico e dramatico sensacional.

Amanda Aouad disse...

Um bom filme mesmo, e você destacou bem a mensagem do filme.

bjs sumido.

Frau Forster disse...

Adorei o filme, mas eu sou suspeita. Vi a comparação que você fez com "A Máquina", você sabia que é baseada num livro? Livro excelente, por sinal :)

Beijo

Guilherme Z. disse...

Ainda não vi esse filme, mas seu texto confirma as expectativas que tenho de acordo com o que me comentaram.

Aproveito para te convidar a conhecer meu novo blog

http://cineinteresseespecial.blogspot.com

Fábio Henrique Carmo disse...

Ótimo filme! Leve e inteligente, merece mesmo a 4 pipocas, ainda mais com aquela trilha sonora! Ah, e eu gostei de "Creep" no filme. Abraço!

! Marcelo Cândido ! disse...

Quero ver esse filme@
Deve ser um ótimo entretenimento pensante
...

Anônimo disse...

Também gostei bastante desse filme, foi uma grata surpresa, um dos poucos que se destacaram no circuito do cinema nacional em 2011...

abs!

Wagner Woelek disse...

Olá, bela visão..parabéns!

Wagner Woelke

Thiago Priess Valiati disse...

Bacana... Boa a sua crítica!
Mas o filme não me agrada...
Abraços!

Luna Sanchez disse...

Será que suporto a Alline Moraes pelo prazer de apreciar o Wagner em cena?

Tomara que sim!

Rs

Beijos.

Tsu disse...

Oi Renato, tudo bom? Faz tempo que vc não aparece em meu blog hein? Como estás?
Bom sobre esse filme..Moura é um caso á parte..ele é um ator brilhante com o dom de interpretar o personagem que quiser.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

é pura diversão (o que não e pouco), mas cláudio torres já teve melhores momentos.

O Falcão Maltês

Tsu disse...

Oi Renato!
Ah posso imaginar como a semana dep rovas é tensa...acaso teve de fazer TCC? Bom, espero que agora você apareça mais no blog o/

MOISÉS POETA disse...

Querido , Renato!

Sempre quando assisto filmes nacionais , faço-o com certa reserva.
acho o ator nacional um pouco caricato. salvo algumas exceções...vou assistir a esse filme porque sua critica em relação a ele foi boa. vou coloca-lo em minha lista.

Um grande abraço, querido !

Eric Maffer disse...

Ainda não assisti. Confesso que os filmes nacionais que mais me interessam são aqueles mais reais, e sem tanto rostinho Global estampado.

Película Criativa disse...

Ainda não assisti o filme, mas não tive uma boa impressão pelo trailer.

Muito bom saber que é um dos destaques do ano.

Rosane Marega disse...

Eita, que gostoso receber esse carinho teu,faz bem para a alma viu. BeijoOOOO no coração

Karla Hack dos Santos disse...

Não conferi este filme ainda..
MAs, achei bem interessante o conceito e parece divertido...
Vou conferir!

;D

Tsu disse...

Hein? O que seria esse seu "novo" tempo, Renato? =p
Ah como foi o lance da tarde de autógrafos do seu amigo? Não pude ir :/
bjs

renatocinema disse...

Amiga.....meu novo tempo foi a chance de viver novamente após ver tanta coisa escapando pelos dedos. kkk.

A noite de autógrafos foi muito legal. Pena que você não foi. Na próxima será presenta obrigatória, hein.

Beijos

Tsu disse...

Oi Renato!
Então..Branca de Neve é um clássico incomparável da Disney. E sim, a Rainha é charmosa e cruel..uma tipica versão da deusa Hera. Só o que não gostei foi o destino dela no desenho porque no original é bem mais interessante. Tão obcecada pela vaidade no fim ela fica incapaz de se olhar no espelho, pois nenhum deles mostra seu reflexo.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

E as novidades, Renato?

O Falcão Maltês

renatocinema disse...

Amigo Antonio essa semana vem mais novidades. Estou numa loucura com a viagem de final de ano. Prometo que semana que vem virão novidades. Abraços.

Por que você faz poema? disse...

Sempre gostei de ficção científica e sempre odiei minha vida de adolescente, afirmar que eu habitava um episódio de Todo Mundo Odeia o Chris não seria exagero, embora, naquela época, eu estivesse mais para Kevin Arnold ou Doug Funny. Com as inseguranças típicas da idade, vivia arrependido por tudo que fazia ou (principalmente) deixava de fazer, imaginando como poderia ter sido as outras possibilidades e a procurar onde ficava o CTRL+Z da vida real (acho que todo adolescente é um pouco assim). Quisera eu ter despertado na mesma manhã, seguidamente, como se fosse o dia da marmota.

Agora, já não quero voltar no tempo, quero apenas mais tempo para realizar tudo que desejo.

BLOG DE POESIAS DO PROFEX disse...

Renato, você me fez mais uma vez querer ver este filme. As referências sobre "O homem do futuro" já eram boas. Depois desse comentário, estou providenciando por aqui uma forma de vê-lo. Deixo uma boa semana e parabéns pelo trabalho!

Tsu disse...

Oi Renato.
Sim as adaptações normalmente são deprimentes. Entretanto as da Disney eu curto porque eles fazem voltado para o público infantil mas nos clássicos antigos colocam escondidos diversos elementos interessantes. Agora essas adaptações atuais voltadas para as adolescventes alienadas é revoltante.
Bom, Allan Morre é um mestre e concordo com a posição dele mesmo um pouco extremista. Tipo gosto da posição da Anne Rice que prooibiu qualquer tipo de fanfic com os personagens dela.
bjs!

Silvano Vianna disse...

Filme bem legal mesmo. Gostei bastante desta produção.

Rentato de convido também para ver fazer parte de um meme sobre cinema.

http://discursohumanista.blogspot.com/2011/12/um-mes-31-filmes.html

Abraços!!!

leandroaleixo disse...

Sinseramente acho que sou o unico que nao gostei deste filme..Ngm merece..nao gostei!!!!

João Linno disse...

Me diverti muito vendo esse filme.

Marcos Rosa disse...

Este é um bom filme, mostra mais uma vez a categoria do Moura. Brinda o cinema nacional junto com o magnífico O Palhaço.

Sobre o Preço do Manhã: concordo com vc que o Timberlake não é o atrativo do filme