Paranoid Park


Paranoid Park - Gus Van Sant (do ótimo e imperdível “Garotos de Programa”) é um diretor que sabe pintar, como poucos, a juventude. Normalmente ele faz uma caricatura que mostra uma geração vazia, perdida e sem grandes perspectivas.


“Paranoid Park” apresenta um pouco mais desse oco interior de uma prole que, em sua grande maioria, não tem sido participativa ou construtiva.


Com roteiro que “brinca” um pouco com sua linearidade, “Paranoid Park” faz também uma bela poesia visual, onde somos apresentados a pais que não mostram o rosto e não são nada próximos dos seus filhos, ficando totalmente a partes dos problemas dos jovens.


Sem dúvida, ouso dizer que esses são os dois pontos mais positivos do filme:


- o roteiro: que faz uma mescla entre seguir uma linha linear e livre ao mesmo tempo; e que foi construído de forma rica e envolvente, com ritmo de narrativa lento (ainda bem), assim podemos refletir sobre cada segundo que assistimos da película;


- e a fotografia: que apresenta imagens que representam um pouco do momento dos personagens: angustias, euforias, tristeza, leveza e banalização. Todas imagens são intensas e ricas.


Os diálogos, propositalmente, vazios retratam maravilhosamente as mentes opacas que existem nessa atual juventude. A história não faz levantamentos morais, preocupando-se em apresentar o que se passa em adolescentes que não se preocupam com o futuro ou com a consciência dos seus atos.


Trata-se de uma produção com cara de filme independente e muito fora dos padrões que agradam ao grande público. Ou seja, quem gosta somente de filmes pipocas, fuja de “Paranoid Park”. O elenco, formado por atores não profissionais e a trilha sonora muito eclética, amparam também o brilho desta obra do diretor de “Elefante” (outra produção cinematográfica obrigatória para quem gosta de avaliar a atual geração de jovens).

O final, sem justificativas ou respostas morais, também me agradou, e muito, em "Paranoid Park".


Peço desculpas ao amigo Lyv. O texto que dedicarei a ele, Cães de Aluguel, fica para a próxima semana. Prometo. Afinal, as diferenças entre as opiniões fazem parte do crescimento.


Sinopse – Alex (Gabe Nevins) é um jovem de 16 anos que namora Jennifer (Taylor Momsen) e tem Jared (Jake Miller) como seu melhor amigo. Um dia, ele e Jared vão a Paranoid Park, o paraíso dos skatistas, e combinam de voltar ao local no sábado à noite. De última hora, Jared precisa viajar e Alex decide ir sozinho. Lá, conhece outros skatistas e aceita o convite de um deles para subir em um trem de carga, sem imaginar o problema que teria.


Filme: 4,5 pipocas


1 pipoca – péssimo
2 pipocas – ruim
3 pipocas – razóavel/regular
4 pipocas – bom
5 pipocas – imperdível

14 comentários:

Rodrigo Mendes disse...

Gostei do seu texto Renato!
Na verdade preciso rever este filme do Van Sant numa fase bem interessante de sua filmografia depois de fazer fracassos como Gerry e Psicose 98.

Este e ELEFANTE e o recente MILK são excelentes conjuntos documentais com a narrativa da ficção. E assino em baixo as suas sugestões ao lado.

Viu a fita de Van Sant que passou em Cannes este ano? Abraços.

Rodrigo

Gabriel disse...

Epa, Gus Van Sant. Dele só vi Garotos de Aluguel e Milk, e fico me cobrando toda hora pra ver Elefante. Vou dar uma chance pra Paranoid Park, já vi muitas vezes na locadora, e seu texto é tentador, vou pegá-lo na próxima.
Abraços.

Anônimo disse...

eu gostei, mas realmente não é um filme para todos...

Hugo disse...

É um triste retrato de parte da juventude atual.

Abraço

Jacques disse...

Ainda não assisti a nenhum filme do Gus Van Sant.
Ouvi dizer que os filmes dele são digamos... pouco convencionais e fora do corriqueiro.
Sobre diferenças de opinião, elas sempre existirão (e deve-se ter o cuidado de não confundir CRENÇA com OPINIÃO) e um bom ditado (oriental, eu acho) sobre este assunto é "um rio só chega ao seu destino porque bate em margens opostas".
Valeu a dica e até a próxima.

Amanda Aouad disse...

Seu texto me instigou, Renato. Gosto de Gus Van Sant e seu estilo verdadeiro, mas ainda não vi Paranoid Park. Vou corrigir isso o mais breve possível.

bjs

♪ Sil disse...

Renato,

Além de ser um amigo que nos ensina tudo sobre cinema, eu vou mais além:

Você é um cara tão do bem, tão do bem, que é como se fosse pra mim um velho conhecido.
Se tem uma coisa que esse meu blog me trouxe de bom, foram os amigos tão especiais que eu fiz aqui.
Não falo de coleguismo, falo de amizade mesmo.
E Sabe? Eu te considero um baita amigo.
Só de vir aqui te deixar um abraço, me faz ganhar a noite!
super obrigada pelas palavras de carinho no meu blog, graças a DEUS a gripe tá indo embora de vez, e que não volte mais, porque dessa vez me derrubou rs.
Obrigada por ser quem você é!

Grande abraço!!!

Renato Hemesath disse...

Ótima resenha, Renato!
preciso, com toda certeza, conferir nestas férias este e "garotos de programa". Elefante eu acho fantástico! e tu disse muito bem quanto a ótica em que o diretor aborda a juventude, bastante enriquecedora e contundente, a meu ponto de vista.

Bom final de semana! abraços

Tô Ligado disse...

Gostei do texto renato, mas acho que não seria um filme para eu assistir...

Ah, assisti X-Men. Muito bom mesmo!

abracos

Tsu disse...

Olá!
Simplesmente ADOREI o seu blog!
Assim como eu você é cinéfilo e pelo que li no artigo sobre o novo X-Men acho que temos opiniões em comum.

Recentemente passei a me interessar muito por filmes suecos e cinema mudo (bem, esse eu curtia faz tempo, especialmente o expressionismo alemão).
Estou te seguindo, se puder me segue também!

Gostaria de trocar idéias sobre filmes, quadrinhos...e não sei se você curte anime...

bjs!

http://www.empadinhafrita.blogspot.com

Jonathan Pereira disse...

Olá Renato,

Ficamos felizes com sua visita e sua contribuição no 'O Teatro Da Vida'! Sinta-se a vontade para retornar sempre que desejar!

Abraços,

Jonathan Pereira

Tsu disse...

Oi Renato!
Poxa, obrigada! Legal você ter curtido o meu post sobre Deep e Burton...normalmente meu blog é mais focado em animes e cosplay mas coincidiu de voc~e acessar quanso postei algo relacionado á filmes.
Nossa, que vergonha! Eu realmente esqueci da parceria DeNiro e Scorcese! Que falha =p. Gosto muito desses dois juntos e acho que, em termos cinematográficos (cinema + arte) os dois são imbatíveis. Porém considero que Tim Burton e Depp se destacam por conta da amizade íntima que possuem fora do ambiente de trabalho. Dáp ra sacar logo de cara que ambos possuem gostos muito parecidos e devem ser do tipo que ficam horas e horas debatendo bizarrices rs.
Espero contar com sua presença aqui no blog mais vezes!

http://www.empadinhafrita.blogspot.com

Guará Matos disse...

Você sempre gentil e amigo. Outra coisa que me alegra e poder curtir e aprender mais sobre tudo que rola no cinema.

Abraços.

Película Criativa disse...

Ainda não assisti Paranoid Park, é mais um filme que está na minha lista.

Gosto do trabalho de Gus Van Sant e também estou muito curiosa para assistir Restless.