Os Irmãos Cara de Pau



Os Irmãos Cara de Pau – Como conseguir agradar num único filme, cinéfilos, tão diferentes, que gostam de filmes musicais, das velocidades de perseguição de carros, filme de nazistas e personagens com muito estilo e humor (na linhagem Quentin Tarantino)?






Para acariciar públicos tão diferentes existe uma receita, teoricamente, simples: basta ser CARA DE PAU.






“Os Irmãos Cara de Pau” é uma combinação perfeita de Blues, Carros e muito humor.






A trilha sonora do filme é uma aula de como agradar o público com canções que ditam o ritmo da história. Uma figura dramática com alma, cor, cheiro e sentimento.






As perseguições de carros acontecem o tempo todo e fazem do filme, quase um clássico do gênero policial (diria que na linhagem de “Um Tira da Pesada”), afinal, o humor em todos os momentos está presente.






Os nazistas também estão presentes, se dando mal e sofrendo na mal de nossos “heróis”, que se não se vestem de morcego e não voam para o alto e avante, lutam para salvar órfãos que estão prestes a perder tudo que tem.






Falar sobre os protagonistas é sacanagem. A dupla parece o Gordo e o Magro, o Mussum e o Zacarias (nos bons tempos). A dupla possui uma combinação cinematográfica praticamente perfeita na tela. A cena, quase final, onde cantam num grande teatro, é uma saudosa e carismática coreografia sobre a liberdade da dança. Não existem regras ou limites, o que vale é a busca pela satisfação. A alma do longa metragem, dirigido de forma espetacular por John Landis (“Os Três Amigos”), é a combinação perfeita entre John Belushi (“1941”, de Steven Spielberg) e Dan Aykroyd (“Os Caça-Fantasmas”).



O visual, com muito estilo e charme dos protagonistas, merecia um capítulo especial. Diverte, conquista, emociona e arrasa os corações.






As diversas participações especiais, que vão de Ray Charles a James Brown é outra encanto nessa produção que homenageia a música e o nosso querido Blues. Uma participação especial irá agradar, e muito os fãs de Star Wars. A fotografia, sempre “suja” e sofrida é outra bela poesia do filme.






Não importa se você gosta de Blues ou de cinema. Se você aprecia diversão, música e vida, se torne como nossos ídolos e vire um querido Cara de Pau.



Texto dedicado ao meu irmão Nelson que fez 40 anos no dia 9 de junho e que me inspirou em música.






Sinopse – “Joliet Jake" Blues (John Belushi) sai da prisão em liberdade condicional e fica sob a custódia de seu irmão Elwood (Dan Aykroyd). Ele cumprira dois anos de uma sentença de cinco por roubo a mão armada. Jake e Elwood são cheios de estilo, vestem roupas e chapéus pretos, além dos imprescindíveis óculos escuros. Elwood aparece na porta da prisão para pegar o irmão, dirigindo um velho e deteriorado carro da polícia, um Dodge Monaco de 1974 que eles chamam de Bluesmóvel, com motor V-8. Jake não sabe que o carro foi modificado, mas quando os irmãos são perseguidos pela polícia, Elwood mostra toda a verdadeira potência do motor.





Elwood convence Jake a visitarem o orfanato cristão em que eles cresceram. Depois de uma "conversa" com a diretora do orfanato, a simpática Irmã Mary Stigmata (apelidada de "O Pinguim"), eles ficam sabendo da situação financeira difícil da instituição que deve uma grande quantia em impostos. A religiosa recusa energicamente (distribuindo pancadas) dinheiro roubado oferecido pelos irmãos.






Mais tarde, ao irem a uma igreja evangélica do amigo Curtis, Jake tem uma epifania: os irmãos irão conseguir fundos honestos para o orfanato, através da apresentação da sua lendária banda de rhythm & blues. Sem demora os irmãos começam a ir atrás dos antigos membros da banda. Mas no seu caminho encontrarão muitos percalços: perseguições da polícia, brigas com neo-nazistas e a fúria de uma ex-namorada de Jake, uma mulher misteriosa armada até os dentes.






Filme: 5 pipocas






1 pipoca – péssimo

2 pipocas – ruim

3 pipocas – razóavel/regular

4 pipocas – bom

5 pipocas – imperdível

6 comentários:

♪ Sil disse...

Tenho certeza que minha filha vai adorar!!!!!!!!!
Renato, essa amaaaaaaaa filmes!
Tem 17 anos e pesquisa tudo, assiste tudo acredita?
Algumas vezes ela me diz: Mãe, entra no blog do Renato pra eu ver algumas dicas rs.
Tava pra te falar isso várias vezes e esquecia.
Mas ela é sua fã!
Vários DVSs ela comprou por dicas suas!

Obrigada meu querido!

Um beijooo!

Cristiano Contreiras disse...

Nunca vi esse e, sinceramente, não me sinto NUNCA atraído. Tantos anos depois, eu ainda não quero ver. Mas, seu texto até que melhorou, de alguma forma, a premissa do filme.

um abraço!

! Marcelo Cândido ! disse...

Já vi algumas cenas !!!
Somente...

Por que você faz poema? disse...

Uma das minhas sessões da tarde preferida, vi muitas vezes.

Anônimo disse...

Não bastasse um presente físico (Pergunte ao pó), ganhei homenagem....fico lisonjeado !!!!

Jacques disse...

Diversão é a palavra certa para definir este filme.
E a saborosa química entre os dois atores principais realmente é pouco vista na telona.
Valeu.