Laranja Mecânica


Laranja Mecânica – “A violência gera violência” essa frase citada quase no final de Laranja Mecânica poderia ser uma bela forma de definir a produção. Mas, não é tão simples assim. O longa-metragem é isso e muito mais. Violento, bombástico, arrebatador e assustador essas são outras palavras que alguns utilizam para definir “Laranja Mecânica”. Eu prefiro definir com a palavra ENCANTADOR.


Encantador porque Stanley Kubrick (“2001 – Uma Odisséia no Espaço”) faz diversos questionamentos morais sobre o que seria pior: a violência do individuo contra o seu semelhante ou a violência que o Estado faz contra o individuo que ele deveria proteger. O individuo ao torturar seu semelhante é condenado e criticado por todos, entretanto ao fazer uma tortura “legal” o governo não está utilizando formas imorais para corrigir ao invés de educar o cidadão que jurou agasalhar? Ou seja, a falta de respeito entre o individuo com seu semelhante e a do governo para com seu cidadão são completamente condenáveis. Apesar de ser realizado na década de 70 temos o problema presente nos dias atuais.



Dirigido pelo mestre da sétima arte, Kubrick só aceitava a perfeição. A história choca questiona e soca a cara do público ao apresentar um roteiro profundo e cheio de simbolismo. A tática da pressão e do medo apresentada no filme não é o que alguns governantes fazem para controlar a grande massa?



Alex (Malcolm McDowell, de “Um Século em 43 minutos”, em atuação espetacular) é líder de uma gangue de jovens. Um grupo violento que gera brutalidade em sua forma mais revoltante (agride bêbados, mendigos, idosos e estupra sem a menor dor na consciência). Um rapaz de classe média (com pais omissos e alienados, que simbolizam a sociedade de uma forma geral), com acesso a cultura e a música clássica e que ama a genialidade sonora de Beethoven.


Não posso falar de “Laranja Mecânica” sem citar a ótima trilha sonora, que comprei assim que terminei de assistir o filme pela primeira vez. É impossível ouvir as músicas sem lembrar trechos dessa obra-prima cinematográfica.


Outro destaque no filme de Kubrick é a fotografia, principalmente em sua primeira metade. A primeira cena do filme, com fotografia angustiante serve de pequeno aperitivo para demonstrar que esse não será um filme qualquer.


Das diversas cenas que me encantaram em “Laranja Mecânica” a que mais me deixa sem palavras é de quando Alex, ou seja, o individuo que jurou proteger, é apresentado pelo Estado como cobaia em um show. Um animal num pequeno circo. Não defendo, nem tenho como interesse defender o vilão do filme. Pior, talvez, que a própria pena de morte, seja a perda do direito da liberdade mental.


Kubrick é um ícone da sétima arte e de como ela pode ser perfeita e encantadora, apesar da violência brutal. Em todos os seus trabalhos ele mostra os erros cometidos para nos obrigar a refletir. Fez isso magistralmente em “Glória Feita de Sangue”, produção espetacular contra a primeira guerra, e voltou a repetir a dose com “Nascido para Matar”, ao deixar o público sem palavras ao mostrar o treinamento para guerra.



Ao assistir a produção novamente fiquei ainda mais triste pelo filme ter sido extraído do projeto cultural que estou participando com grupo de jovens. A atual juventude poderia aprender muito com esse diamante raro do cinema.


Esse texto é humildemente dedicado a Amanda do ótimo blog: http://www.cinepipocacult.com.br/


Sinopse - No futuro, Alex (Malcolm McDowell,de “O Livro de Eli”), líder de uma gangue de delinquentes que matam, roubam e estupram, cai nas mãos da polícia. Preso, ele usado em experimento destinado a refrear os impulsos destrutivos, mas acaba se tornando impotente para lidar com a violência que o cerca.


Filme: 6 pipocas - obrigatório


1 pipoca – péssimo
2 pipocas – ruim
3 pipocas – razóavel/regular
4 pipocas – bom
5 pipocas – imperdível

21 comentários:

Gabriel disse...

Eu amo esse filme. Não importa quantas vezes eu assista Laranja Mecânica, não consigo falar nada sobre ele que me pareça completo. Mas seu texto ficou muito bom, o mundo como uma faca de dois gumes, se você cria a violência, outro vai criar para você, o Estado com a função de alienar cidadãos e alterar a violência com a violência, tudo funciona perfeitamente. 6 pipocas merecidas.
Abraços.

rosa feriani disse...

olá caro colega...muito boa a indicaçõa.
vou procuar um tempinho para ver mais filme.bjs

rosa feriani disse...

olá meu amigo...muito bom. vou procurar um tempinho para ver mais filmes.bjs

! Marcelo Cândido ! disse...

Preciso ver esse clássico urgente!

Amanda Aouad disse...

Clássico, sem dúvidas. Mas, que me dá uma agonia profunda, hehe. belo texto.

bjs

Guará Matos disse...

laranja é um "puta" filem e a interpretação de Malcolm McDowel é tudo!

Abraços.

♪ Sil disse...

Não tenho tido tempo pra ver filmes, mas arranjei um tempo pra te deixar um abraço Renato.

Amigo querido!

Cristiano Contreiras disse...

Obra prima incontestável, um filme que sempre mexe comigo - ao lado de "De olhos bem fechados", é meu predileto de Kubrick.

abs

Fábio Henrique Carmo disse...

Como você colocou na sua cotação: obrigatório. Perturbador e questionador são as palavras que me vêm à mente quando lembro do filme. E não sei se o mais jovens de hoje aprenderiam muito com o filme. Percebo que vários deles vêm o personagem de McDowell com um ícone pop...

Marcão Kubrick disse...

Belo texto, Renato!!!

Esse filme é o meu preferido de TODOS!

Acho que ele não só é "obrigatório" para ser assistido e pronto.

É OBRIGATÓRIO para ser assistido uma vez a cada 05 anos....pois o mais brilhante desse filme é que ele se renova de acordo com a nossa própria renovação.

A cada fase da sua própria vida você assiste à um NOVO Laranja Mecânica.

E isso é brilhante. E isso, raríssimos filmes atingem.

É SUBLIME!!!

Abrasss

Ronaldo disse...

Isso é um filme, hoje em dia dificilmente alguém faz algo bom como ele.

Abs

Sonhos De Deus disse...

Bom dia meu amigo muito bom o comentario do filme ...olha sei que vc veio pr ficar vc não é um seguidor e sim amiga pois só os que nos faz falta realmenti é especial quando não ti vejo nos Sonhos De DEUS sinto falta não somenti dos comentarios pois sua opinião é importanti sim pr mim ,mas vc é +D+ ti gostoooo asssimoooo de coração uma linda semana bjks !

Sonhos De Deus disse...

Meu querido amigo como coloquei no post gosto de dividir esta frase com meus amigos.Deus sempre enviara alguem segundo seu coração pr ti animar não pare...O problema que tiver, enfrente-o.
Não fique dando voltas, fingindo que ele não existe.
Se ele acontece, é para ser resolvido.
Se for grande demais, vá resolvendo parte por parte
até que ele fique bem menor.
Hei levanta tua cabeça vc ja venceu acredite mais em vc ,não permita que ninguem ti coloque em segundo plano pois vc é muito especial fica com Deus ele esta com vc e ti ama uma semana com toda sorte de benção a meu amigo não fica muito tempo longe vc me faz um bem danado!

Mensagens abencoadoras!!! disse...

Ola!
Gostei de estar por aqui!
Seu cantinho e acolhedor, tem cheirinho de pipoca hehehe
Conte comigo.
Deus te guarde na concha de suas poderosas mãos!
O meu nome é Marly, sou seguidora da Val dos "sonhos de Deus", seguidora nao, nos consideramos amigas/irmãs!

Tiago Britto disse...

Filmaço...dos melhores de todos os tempos...sem mais.

Maria Gabriela disse...

Comenta sobre o documentários musicais também?
:)

Rosane Marega disse...

Oieee RenatooOOOO, passando para te deixar um BeijooOOOOOO

Maria Gabriela disse...

mas... e os nacionais?

Marcia disse...

Olá Renato,
sempre gentil e amável!
Agradeco a sua carinhosa visita e deixo um beijo.
.

Jacques disse...

Este e Nascido para Matar são meus filmes preferidos do Kubrick.
Acho que a moral dele é que o Governo fará de tudo para permanecer no poder.
Algumas curiosidades: na cena em que Alex vai buscar os discos que havia encomendado, aparece "2001" em uma capa de disco e no final, na cena em que ele está na cama, aparece o nome Burgess (de Anthony Burgess, autor do livro que inspirou o filme) no jornal.
Aqui no Brasil, este filme ficou célebre por causa da involuntariamente cômica "cena das bolinhas saltitantes" que ocorreu porque o filme foi censurado.
Até mais.

Rubi disse...

Renato, antes de mais nada, obrigada pela sua visita! Fiquei impressionada com o conteúdo do seu blog e escolhi justamente esse filme pra comentar pois assisti recentemente. Embora não seja meu preferido, confesso que é um bom (e obrigatório) filme. Aproveito para lhe seguir também!

Até breve, e volte sempre, será um prazer.