Ninguém é Perfeito


Ninguém É Perfeito – Poucas vezes a tradução de um nome de filme para a Língua Portuguesa funcionou tão bem como nesse longa-metragem dirigido por Joel Schumacher. Nesse belo drama o conflito entre os opostos é colocado de forma inteligente, real e sem julgamento. Facilita muito o talento de Robert De Niro (Touro Indomável e Táxi Driver) e Philip Seymour Hoffman (Capote e A Família Savage) como protagonistas. Ambos estão perfeitos no trabalho, levando seriedade a um tema difícil como o conflito entre pessoas que são completamente opostas e que são obrigados a conviverem.

Minha posição referente ao trabalho de Schumacher vai do céu ao inferno. Seus primeiros trabalhos me agradaram muito, me fazendo acreditar que um novo “Scorsese” estaria surgindo: O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas, Os Garotos Perdidos, Um Toque de Infidelidade e Tudo Por Amor são produções bem construídas e dignas de relevância no cinema mundial. Porém, depois de seu trabalho em Batman Eternamente e, principalmente Batman e Robin, ele foi ao inferno no meu conceito. Como alguém que tinha feito trabalhos tão bacanas em inicio de carreira fez aquelas tragédias nas produções do Homem-Morcego? Até hoje me pergunto.

Não o perdoei, acho que jamais conseguirei, mas, seus trabalhos em Por um Fio e 8 mm, mostram que o diretor, quando consegue se concentrar e fica sem pressão de estúdios faz ótimos trabalhos. Ninguém é Perfeito fica no meio termo: nem tão bom quanto o angustiante filme estrelado por Nicolas Cage, nem tão trágico quantos os filmes do Batman. Acho que o filme cumpre seu papel de questionar valores morais e éticos e merece uma visita em um dia chuvoso.

Sinopse - Walter Joontz (Robert De Niro) é um guarda de segurança aposentado, ultraconservador com orgulho, que vive em Nova York. Certo dia, ao tentar ajudar um vizinho em dificuldades, Walter recebe um golpe que o deixa com paralisia parcial do corpo. Recusando-se a deixar o apartamento em que vive, Walter concorda com um programa de reabilitação que inclui aulas de canto com um artista que mora no apartamento de cima: uma drag queen chamada Rusty (Philip Seymour Hoffman).

Filme: 3 pipocas

1 pipoca – péssimo

2 pipocas – ruim

3 pipocas – razóavel/regular

4 pipocas – bom

5 pipocas – imperdível

1 comentários:

Sandra disse...

Gostei! Quero assistir esse também!!!