HOMEM DE FERRO 3

O convidado do Blog é o amigo Tiago Britto realizador do site: www.cinemadetalhado.com.br

,





Depois de muito sucesso em seus dois primeiros filmes e em Os Vingadores, Tony Stark retorna em Homem de Ferro 3, que chega aos cinemas para iniciar o segundo arco de produções da Marvel. Muito diferente daquele personagem que em 2008 era desconhecido pelo grande público, o longa estreia como a grande atração do momento e uma das produções mais aguardadas do calendário de estreias do ano. De imediato a grande novidade por trás da produção é a direção ter deixado de ser de Jon Favreau (Cowboys & Aliens, John Carter - Entre Dois Mundos) e ter sido repassada à Shane Black, que fez muito sucesso no passado com a franquia Máquina Mortífera.


Acompanhando o amadurecimento de Tony Stark, o longa tenta abranger um lado mais sombrio e problemático de seu personagem principal. Robert Downey Jr (Sherlock Holmes - O Jogo de Sombras, Um Parto de Viagem), sempre excelente e dispensando comentários, passa grande parte da projeção sem sua armadura, o que permite um melhor desenvolvimento do herói após a traumática experiência vivida em Nova York. Essa é uma decisão acertada por parte dos realizadores, pois apesar de direcionarem as atenções para um personagem sofrido e repleto de traumas, o humor e o sarcasmo do milionário seguem afiados e as cenas de ação, bastante reduzidas aqui, são incríveis e repletas de efeitos especiais dignos de prêmios. As batalhas e explosões são um show a parte para os olhos de quem assiste e somadas com uma trilha impactante, mas inferior as anteriores, transmitem o sentimento de fazerem parte de um grande acontecimento para a história cinematográfica.


O roteiro é capaz de promover grandes reviravoltas, sendo uma delas interessante e frustrante ao mesmo tempo, porém em alguns aspectos apresenta falhas e a trama envolvendo Maya e a Extremis parece ter sido deixada de escanteio para que algumas cenas de ação fossem implementadas. Não que este seja um problema capaz de por a perder o belo trabalho dos realizadores. A ousadia é nítida e todos merecem palmas por terem a coragem de arriscar. Alguns fãs mais ranzinzas poderão se irritar com as modificações propostas, mas no contexto da obra estas se encaixaram perfeitamente.


Como já comentado anteriormente, Robert Downey Jr dispensa comentários e já provou por A mais B que é o cara perfeito para o papel. Além dele, Ben Kingsley (O Ditador, A Invenção de Hugo Cabret) entrega uma atuação bastante interessante, que norteia severidade e pânico sem deixar de ser cômico nos momentos necessários. O Mandarim sem sombra de dúvidas é um dos personagens mais intrigantes da trama. Guy Pearce (Prometheus, O Discurso do Rei) está mais do que acostumado a viver o papel que interpreta e Rebeca Hall (Atração Perigosa, O Retrato de Dorian Gray) sofre com a falta de interesse do espectador e dos roteiristas com sua personagem. Gwyneth Paltrow ganha destaque com o crescimento de sua personagem Pepper Potts. A atriz finalmente pôde mostrar seu talento na franquia.


Em resumo, o longa mantém o ritmo das outras produções realizadas pela Marvel e com certeza irá agradas aos fãs do gênero e do personagem. O problema que ele irá enfrentar é o de conseguir atingir a expectativa do espectador, que após o enorme sucesso de Os Vingadores, passou a ser ainda mais exigente. O certo é que muitos dirão que se trata de um bom filme, mas que esperavam algo a mais. Esse que vos escreve está satisfeito com o resultado, porém com a ressalva de que em 2 ou 3 anos existe a possibilidade desse universo precisar se reinventar. Pode estar ficando repetitivo e cansativo. Vamos ver o que as sequências de Capitão América e Thor irão comprovar.


Como todo longa da Marvel, há uma cena pós créditos.
Pipocas: 3,5

 
 
 
Sou um Administrador de Empresas completamente apaixonado por filmes e cinema. Decidi escrever sobre películas, pois amigos meus começaram a me ligar todas as vezes antes de irem ao cinema, para perguntar o que tinha achado de uma determinada produção. Desta situação, decidi iniciar um novo desafio e comecei a desenvolver o Cinema Detalhado. No começo foi complicado e me expressar não era tão fácil, mas aos poucos fui aprimorando meu olhar técnico, aprofundado os textos e hoje me sinto uma pessoa segura em comentários e escritas.
 

4 comentários:

Liz Vasconcelos disse...

Ainda não assisti mas faço questão de assistir depois da resenha.

thevitro.blogspot.com.br

Tô Ligado disse...

O cara escreve bem hein? Ja estou seguindo!

Marcelo keiser disse...

Assisti hoje! É muito bom e recomendo!

abraço

Gilberto Carlos disse...

Gostei dos dois primeiros filmes. Quero assistir a esse também, pois já li críticas que é o melhor deles. Abraços.