A Rosa Púrpura do Cairo


A Rosa Púrpura do Cairo – Sei que Woody Allen é amado pela maioria dos fãs de cinema e que seus filmes são valorizados de forma absurda, entretanto, eu, Renato Alves, não posso dizer o mesmo. Vejo o diretor de “A Era do Rádio” como um ótimo diretor de cinema e que sua carreira foi construída de forma sólida e cativante. Mas, definitivamente o diretor de “Bananas” não entrou na minha mente como alguns gostariam. Tenho diversos amigos que o colocam entre os maiores de todos os tempos. Talvez até seja, porém, meu gosto vai por outro caminho. Minha paixão cinematográfica segue outra trilha, no estilo de Martin Scorsese e Quentin Tarantino. Mas, isso não quer dizer que eu não tenha consciência da importância de Woody Allen para o cinema americano e mundial.

Isso não quer dizer também, que não tenha aplaudido de pé uma de suas obras, que entra na minha lista dos 10 melhores filmes que já assisti e olha que a lista esta gigantesca. “A Rosa Púrpura do Cairo” é um filme como e para poucos. Mesclar em um roteiro (indicado ao Oscar e premiado com o Globo de Ouro), metalinguagem cinematográfica com história de amor é muito difícil. Quase impossível. Woody Allen conseguiu e de forma primorosa.

Ao entrar na fantasia de “A Rosa Púrpura do Cairo” o público deixa de ser espectador para ser “personagem”. Uma aula de cinema. O romance que é narrado no filme segue a profundidade, sensibilidade e romantismo trágico de William Shakespeare, pelo menos essa é a visão que eu tive. Tudo isso construído de forma espetacular. A homenagem feita a sétima arte, de forma sútil, rica e poética encanta e apaixona.

O elenco, com destaque para Mia Farrow (“O Bebê de Rosemary”, clássico do terror) e Jeff Daniels (“A Difícil Arte de Amar”) está simplesmente primoroso deixando ao público a sensação de quero mais.

Se você ama cinema, como eu, Renato Alves, assista. Se você ama romances como William Shakespeare se emocione e acredite que tudo é válido quando o amor e o cinema não são pequenos.

Sinopse - Durante os anos da Grande Depressão nos Estados Unidos, Cecilia é uma garçonete que, depois de despedida do emprego, passa a se distrair vendo sucessivamente o filme "A Rosa Púrpura do Cairo", até que presencia o dia em que seu ator principal literalmente sai da tela do cinema para viver a vida real. Os executivos de Hollywood ficam loucos com o ator, querendo impedir que ele continue saindo de outras salas de projeção, enquanto ele passa a ter um caso com Cecilia.

Filme: 4,5 pipocas

1 pipoca – péssimo
2 pipocas – ruim
3 pipocas – razóavel/regular
4 pipocas – bom
5 pipocas – imperdível

15 comentários:

Tô Ligado disse...

Amor e Cinema! Uma perfeitra combinação!!!

Foose disse...

Olá, amigo!

Também não sou um grande fã de W. Allen. Sei de sua absurda importância, e curto diversas de suas obras. Mas, sigo outros caminhos quando o assunto é direção! Mas quando falamos em Woody Allen pouca gente se lembra de "A rosa púrpura do Cairo". O grande público e boa parte da crítica especializada fazem maior reverência a filmes como ''Annie Hall'' e "Manhattan'' entre outros. É uma injustiça a pouca notoriedade de ''A rosa púrpura do Cairo'' porque esse filme está, definitivamente, entre os melhores de todos os tempos. Allen não marca presença como ator mas todas as suas qualidades como autor de cinema estão presentes nesse filme conduzido pela sua antiga musa. A atuação de Mia Farrow como a garçonete insegura, dividida entre a dura realidade da Depressão estadunidense e o mundo de sonhos proporcionado pelo cinema, é inesquecível e se conclui em um final mágico e emocionante. Se você adora cinema e ainda não assistiu, assista! Esse filme também foi destinado para você!!!

Caro Renato, aproveito mais essa oportunidade para lhe agradecer imensamente, pela sua constante presença e participação lá no Blog!:-)
Sua presença é sempre bem vinda e aguardada! Muito obrigado e parabéns pelo belo texto!


Um grande abraço...

gabriel disse...

não vi muitos filmes do Woody Allen, acho que só vi 3 de sua extensa filmografia, então não posso dizer muito sobre ele, mas gostei do que vi. a sinopse de Rosa Púrpura do Cairo me convenceu, já coloquei na minha lista.

MOISÉS POETA disse...

vi alguns filmes do woody allen quando era adolescente e gostei de alguns . sempre achei-os inteligente e sensivel. não vi , mas vou ver, a rosa púrpura do cairo com certeza.

mia farrow por si só, ja é um bom incentivo.

um abraço !

Guará Matos disse...

Maneiro esse filme, achei bom.
Abraços.

Cristiano Contreiras disse...

Eu sou um bom apreciador de Allen - não acho ele um gênio, ainda assim, mas tem marca e estilo. E faz roteiros interessantes do senso humano, do comportamento, enfim.

Eu tenho preferido a verve dele sexual de 2000 pra cá - "Match Point" e "Vicky Cristina Barcelona" são exemplos disso.

A propósito, poste sobre esses dois aqui!

"A Rosa Púrpura do Cairo" é um bom filme dele, ainda mais pela sintonia de Mia com Jeff em cena - é até fascinante vê-los!


abraço!

Marcos de Sousa disse...

Não conheço esse filme, mas pela forma que você o apresentou, parece ser facinante.

Pedro Henrique disse...

Não à toa é um dos favoritos do próprio Allen.

Kivia Nascentes disse...

Ah, eu sou apaixona por Woody Allen. E ele como muitos outros diretores são idolatrados, como Quentin, o Almodovar. O Quentin que eu acho um enorme exagero, gosto de muitos filmes, meu cachorro inclusive chama Kill Bill, aushuahsuhas, mas ainda assim acho exagero.

Ótimo filme!

Sil.. disse...

Esse eu viiiiii, e ameiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!!

E adorooo o woody allen.

PS: Não gosto de filmes como tropa de elite, mas esse até que adorei rs, até porque Wagner Moura, é Wagner Moura hehehehe

Beijoooooooooo Renato!!!

Quareesma disse...

acho que esse filme serve exatamente pra minha situação atual '-' (hi hi)

muito obrigada pela dica (:

beijas :*

Quareesma disse...

e quanto a sua pergunta ... dias atrás eu tomei coragem e mostrei o texto pra ele '-' então, ele sabe e me corresponde :)

beijas, eterno apaixonado :*

pseudo-autor disse...

É o meu favorito do Allen, junto com Zelig. Pena que o diretor, com o passar dos anos, foi perdendo o encantamento!

Cultura na web:
http://culturaexmachina.blogspot.com

Sebo disse...

Eu como muitos, adoro o cinema de Allen, muito difícil não gostar ou simpatizar com alguma obra do mesmo. Ainda não vi este, mas deve ser mesmo muito bacana! Curioso!

abs,
sebosaukerl.blogspot.com

Luiz Santiago disse...

Sou fã assumido e louco pelo cineasta do Bronx. A Rosa Púrpura é, sem dúvida, um de suas melhores obras, e, ao lado de Match Point, a minha preferida.

Parabéns pelo blog.

Estou seguindo, ok?