Robin Hood


Robin Hood – Alguns amigos assistiram Robin Hood no cinema e me aconselharam a não fazer o mesmo. Segundo eles, o filme era fraco e não tinha emoção. Fiquei desconfiado desses conselhos, afinal, Ridley Scott realizou obras como “Aliens – O 8º Passageiro”, “Blade Runner – O Caçador de Andróides”, “Gladiador” e “O Gângster” – os dois últimos em parceria com Russel Crowe, não poderia realizar um filme tão anêmico, como essas pessoas tinham sugerido. Mas, como eram muitas opções no cinema resolvi esperar sair em DVD para conhecer a produção.

Os primeiros 60 minutos do longa-metragem, realmente não empolgam e não apresentam nada tão importante como os trabalhos realizados anteriormente pelo diretor. Entretanto, a partir desse momento, quando o Rei Ricardo morre, a produção entra por um caminho envolvente, empolgante, emocionante e com ação na medida ideal para o gênero.

Sou fã de Crowe desde que conheci Skinheads – A Força Branca – filme importante sobre violência – e onde o ator demonstrou seu enorme talento. Apesar disso acho que ele deu algumas escorregadas na carreira não conseguindo o respeito e o status que poderia ter alcançado. Entendo que Leonardo DiCaprio (A Origem) ultrapassou sua fama e importância cinematográfica.

Voltando a Robin Hood assumo que adorei o roteiro, que narra o personagem de um ângulo diferente do que estamos acostumados. Fiquei encantando com a fotografia divina e magistral. O meu único ponto negativo, pelo menos em minha opinião e conhecimento, fica para a trilha sonora. Scott é conhecido pelo seu enorme talento na escolha de músicas que empolgam e fazem parte viva dentro de seus filmes e obras. Não é o que senti em Robin Hood. Aqui a música não conquista e não cativa. A trilha parece sem alma, sem força. Nada que nos impeça de ver essa bela história. Amigos, da onça, parem de me aconselhar.

Sinopse - Robin Hood conta a história de um exímio arqueiro, anteriormente interessado somente em sua auto-preservação, a serviço do exército do Rei Ricardo contra a França. Depois da morte de Ricardo, Robin segue para Nottingham, uma cidade que sofre por causa da corrupção de um xerife tirânico e da cobrança exorbitante de impostos, onde se apaixona pela impetuosa viúva Lady Marion (a ganhadora do Oscar Cate Blanchett, O Dom da Premonição), uma mulher desconfiada da identidade e dos motivos deste guerreiro da floresta. Esperando conquistar Lady Marion e salvar o vilarejo, Robin reúne um bando cujas habilidades mercenárias letais são igualadas somente por seu desejo aproveitar a vida. Juntos, eles começam a saquear os ricos indulgentes para corrigir as injustiças cometidas pelo xerife. Com o enfraquecimento de seu país depois de décadas de guerra, sofrendo com as regras ineficientes do novo rei e vulneráveis por causa das revoltas locais e das ameaças vindas de longe, Robin e seus homens partem para uma aventura ainda maior. Estes improváveis heróis e seus amigos pretendem proteger seu país de uma guerra civil sangrenta e devolver a glória para a Inglaterra uma vez mais.

Filme: 4 pipocas

1 pipoca – péssimo

2 pipocas – ruim

3 pipocas – razóavel/regular

4 pipocas – bom

5 pipocas – imperdível

3 comentários:

Sil.. disse...

Renato,

Eu assisti e ameiiiiiiiiiiiiiiii rs!

Gosto é gosto!!

Quanto a sua dica "lembranças", eu vou ver na locadora.
Vindo essa dica de você, eu já sei que é ótimooo!

Como foi de domingão?

Um abração meu!!!

Cristiano Contreiras disse...

Sinceramente, um filme fraquissimo que nem mesmo Russel Crowe ou Cate Blanchett ajudam - ambos estão sem sal, não tem química e são extremamente inexpressivos em todo o filme. Eu acho que tudo foi por conta da descuidada direção de Scott, por quem tenho admiração mas que aqui comete seu fiasco..fora isso, o roteiro é chatinho e tudo beira ao caos. Lamentável.

abraço

AGENTE FOOSE disse...

O filme é bom!
O Robin Hood, de Ridley Scott, não é nenhum clássico como Gladiador ou Blade Runner, mas a maioria dos filmes não é um clássico. Gostei muito do novo olhar e fôlego que ele deu ao herói...leve mas com dimensão política interessante. Brilhantes atuações de Cate Blanchett e Max Von Sydow, além dos ótimos Russell e William Hurt. Vale muito a pena ver e esperar pela continuação que parece que vai sair mesmo. O filme teve uma avaliação muito boa de público(com exceção dos amigos Renato Alves!:-).

Gostei muito do seu blog... não conhecia!!! Mas vou começar a te seguir para acompanhar as suas opiniões e publicações!

Um grande abraço...